• eolor

Beyoncé fala sobre música nova, vida pessoal, carreira e maconha em edição da Harper's Bazaar

"Agora posso quebrar as regras que precisam ser quebradas”, declara cantora.

Beyoncé fala sobre música nova, vida pessoal, carreira e maconha para a Harper's Bazaar

(Foto: Beyoncé / Campbell Addy)


Texto: Gabriela Lins ; Arthur Anthunes

Beyoncé se tornou o assunto mais comentado do mundo nesse dia 10 de Agosto, ao aparecer na capa da revista Harper's Bazaar norte-americana. Cantora, de 39 anos, refletiu seus anos de carreira, anunciou que músicas novas chegarão em breve, comentou sobre os desafios enquanto mulher negra, revelou detalhes sobre sua vida pessoal, além de citar sua relação com o uso medicinal da maconha.

(Foto: Beyoncé / Campbell Addy)


Beyoncé Knowles-Carter atingiu a maioridade durante a revolução digital dos anos 90 e saber navegar nessa dissonância, faz parte de seu superpoder artístico. Ela transformou sua empresa, a Parkwood Entertainment, em um conglomerado de mídia que inclui uma linha de moda, a IVY PARK. Ela agora é mãe de três filhos, de Blue Ivy, 9 nos, e dos gêmeos Rumi e Sir, de 4 anos, com o marido JAY-Z. O icônico casal acaba de ser nomeado os novos rostos da Tiffany & Co., que foi adquirida no início deste ano pela LVMH e está sendo relançada sob seus auspícios. Beyoncé está trabalhando em novas músicas junto com uma série de outros projetos que prometem obliterar velhas fronteiras e lançá-la ainda mais em território desconhecido.


Para a revista, Beyoncé comentou sobre a chegada de seus 40 anos no próximo dia 4 de Setembro. Abaixo, você confere algumas declarações decisivas da Queen B:


A primeira década da minha vida foi dedicada ao sonho. Por ser introvertida, não falava muito quando criança. Passei muito tempo na minha cabeça construindo minha imaginação. Agora estou grata por aqueles tímidos anos de silêncio. Ser tímida me ensinou empatia e me deu a capacidade de me conectar e me relacionar com as pessoas. Não sou mais tímida, mas não tenho certeza se sonharia tão grande quanto sonho hoje se não fosse por aqueles anos estranhos em minha cabeça.


Eu estava competindo em concursos de dança e canto aos sete anos. Quando eu estava no palco, me sentia segura. Muitas vezes eu era a única garota negra, e foi então que comecei a perceber que tinha que dançar e cantar duas vezes mais forte. Eu precisava ter presença de palco, inteligência e charme se quisesse vencer. Comecei a ter aulas de canto com uma cantora de ópera aos nove. Aos 10 anos eu já tinha gravado pelo menos 50 ou 60 músicas no estúdio de gravação. Isso foi antes do Pro Tools, quando você gravava em fita.


(Foto: Beyoncé / Campbell Addy)


Tive minha primeira lesão vocal aos 13, por cantar no estúdio por muitas horas. Tínhamos acabado de fechar nosso primeiro contrato de gravação, e eu estava com medo de ter desenvolvido nódulos e destruído minha voz e que minha carreira pudesse acabar. Os médicos me colocaram em repouso vocal durante todo o verão e fiquei em silêncio mais uma vez.


Minha adolescência foi sobre a rotina. Eu cresci ouvindo esta escritura específica de Tiago 2:17, “A fé sem trabalho é morta.” Visão e intenção não eram suficientes; Eu tive que colocar no trabalho. Comprometi-me a ser sempre estudante e sempre aberta ao crescimento. Ninguém na minha escola sabia que eu sabia cantar porque eu mal falava. Minha energia foi para o Destiny’s Child e o sonho de conseguirmos um contrato com uma gravadora e nos tornarmos músicos. Se algo não estava me ajudando a alcançar meu objetivo, decidi não investir tempo nisso. Eu não senti como se tivesse tempo para curtir ou sair. Sacrifiquei muitas coisas e fugi de qualquer distração possível. Eu sentia, como uma jovem negra, que não poderia estragar as oportunidades. Senti a pressão de fora e os olhos me observando tropeçar ou falhar. Eu não poderia decepcionar minha família depois de todos os sacrifícios que eles fizeram por mim e pelas meninas. Isso significava que eu era a adolescente mais cuidadosa e profissional, por isso, cresci rápido. Eu queria quebrar todos os estereótipos da superestrela negra, seja sendo vítima de drogas ou álcool ou do absurdo equívoco de que as mulheres negras estavam com raiva. Eu sabia que tinha recebido esta oportunidade incrível e senti que tinha uma chance. Me recusei a cometer erros, mas tive que desistir de muita coisa.

Acompanhe tudo que acontece no mundo da música, cinema e TV, siga o eolor no Instrgram.

Lembro-me de estar em uma reunião discutindo análises e me disseram que uma pesquisa descobriu que MEUS FÃS não gostavam quando minha fotografia era em preto e branco. Disseram que eu não venderia se não utilizasse imagens coloridas. Isso foi ridículo. Me irritou que uma agência pudesse ditar o que meus fãs queriam com base em uma pesquisa. A quem eles perguntaram? Como é possível generalizar tanto as pessoas? São estudos precisos? Eles são justos? Todas as pessoas que estou tentando enaltecer e iluminar estão incluídas? Elas não são Eu estava tão EXAUSTA e irritada com essas empresas corporativas, que baseei todo o meu próximo projeto em preto e branco, incluindo os vídeos de Single Ladies, If I Were a Boy e todas as artes para I Am… Sasha Fierce, que acabou sendo meu maior sucesso comercial até hoje.


Estou num ponto onde já não preciso competir comigo mesma. Não tenho NENHUM INTERESSE em olhar para trás. Passado é passado.
Beyoncé diz que passado é passado

(Foto: Beyoncé / Campbell Addy)


Vivemos em um mundo com poucas fronteiras e muito acesso. Existem tantos terapeutas de internet, críticos de comentários e especialistas sem especialização. Nossa realidade pode ser distorcida porque é baseada em um algoritmo personalizado, ele nos mostra todas as verdades que procuramos, e isso é perigoso. Podemos criar nossa própria falsa realidade quando não temos um equilíbrio do que realmente está acontecendo no mundo. É fácil esquecer que ainda há muito a descobrir fora de nossos telefones. Um dia decidi que queria ser como Sade e Prince. Eu queria que o foco fosse minha música, porque se minha arte não for forte ou significativa o suficiente para manter as pessoas interessadas e inspiradas, então estou no negócio errado.


Vi muitas pessoas se perderem nessa indústria. Antes de começar, decidir que só seguiria essa carreira se minha AUTOESTIMA fosse mais importante do que o sucesso como celebridade. Eu me cerquei de pessoas honestas que admiro que têm suas próprias vidas e sonhos e não dependente de mim. Pessoas com quem posso crescer e aprender e vice-versa. Nessa indústria, muito da sua vida não pertence a você, a menos que você lute por isso. Lutei para proteger minha sanidade e minha privacidade porque a qualidade da minha vida dependia disso. Muito de quem eu sou é reservado para as pessoas que amo e confio. Aqueles que não me conhecem e nunca me conheceram podem interpretar isso como algo fechado, uma razão pela qual essas pessoas (que não me conhecem) não veem certas coisas sobre mim é porque meu lado de Virgem não quer que eles vejam. Não é porque essas coisas não existem.

Beyoncé maquiagens harpeers bazaar

(Foto: Beyoncé / Campbell Addy)


Cantora comentou sobre o lançamento de sua próxima coleção da IVY PARK x adidas, a relação com os cowboys negros e apontou apontou inclinações para a indústria de cosméticos:


Esta coleção é uma mistura da minha infância crescendo no Texas e um pouco da história americana. Eu cresci indo ao rodeio de Houston todos os anos. Foi uma experiência incrível, diversa e multicultural, onde havia algo para cada membro da família, incluindo ótimas apresentações, snickers fritos ao estilo de Houston e pernas de peru fritas. Uma das minhas inspirações veio da história esquecida dos cowboys negros americanos. Muitos deles eram originalmente chamados de vaqueiros, que experimentavam grande discriminação e muitas vezes eram forçados a trabalhar com os piores e mais temperamentais cavalos. Eles pegaram seus talentos e formaram o 'Circuito da Alma'. Ao longo do tempo, esses rodeios negros apresentaram artistas incríveis e nos ajudaram a recuperar nosso lugar na história e na cultura ocidentais. Fomos inspirados pela cultura e estilo do rodeio de Houston. Combinamos elementos clássicos com as roupas esportivas de IVY PARK x adidas, adicionando nosso próprio spin, jeans com monograma, polainas e couro de vaca.


Durante minha infância, observei minha mãe nutrir e curar aquelas mulheres em seu salão de beleza, não apenas fazendo-as parecerem e se sentirem bonitas, mas também conversando com elas, ouvindo-as e conectando-se com elas. Eu vi o quanto as emoções das mulheres negras estão ligadas ao nosso cabelo e beleza. A indústria da beleza nem sempre entende essas emoções e o que precisamos. Eu quero construir uma comunidade onde mulheres de todas as raças possam se comunicar e compartilhar alguns desses segredos, para que possamos continuar a apoiar e cuidar umas das outras. Quero dar às mulheres um espaço para sentir sua própria força e contar suas histórias. Isso é poder.


(Foto: Beyoncé / Campbell Addy)


Durante a quarentena, passei dos excessos para a criação de rituais positivos inspirados nas gerações anteriores e colocando minha própria interpretação nas coisas. Eu descobri o canabidiol (maconha) em minha última turnê e experimentei seus benefícios para dor e inflamação. Ajudou nas minhas noites agitadas e na agitação que vem por não conseguir dormir. Encontrei propriedades curativas no mel que beneficiam a mim e a meus filhos. E agora estou construindo uma fazenda de cânhamo e mel. Eu até tenho colmeias no meu telhado! E estou tão feliz que minhas filhas terão o exemplo desses rituais de mim. Um dos meus momentos mais gratificantes como mãe foi quando um dia encontrei Blue de molho na banheira com os olhos fechados, usando misturas que criei e reservando um tempo para ela se descomprimir e ficar em paz. Tenho tanto para compartilhar ... e há mais por vir!


Beyoncé comentou ainda sobre suas músicas novas e desejos para o futuro:


Com todo o isolamento e injustiça do ano passado, acho que estamos todos prontos para escapar, viajar, amar e rir novamente. Sinto um renascimento emergindo e quero participar da criação dessa fuga de todas as maneiras possíveis. Estou no estúdio há um ano e meio. Às vezes, leva um ano para eu pesquisar pessoalmente em milhares de sons para encontrar o chute ou caixa certa. Um refrão pode ter até 200 harmonias empilhadas. Ainda assim, não há nada como a quantidade de amor, paixão e cura que sinto no estúdio de gravação. Depois de 31 anos, é tão emocionante quanto quando eu tinha nove anos. Sim, a música está chegando!


Meu desejo é que meus 40 anos sejam divertidos e cheios de liberdade. Quero sentir a mesma liberdade que sinto no palco todos os dias da minha vida. Quero explorar aspectos de mim mesma que não tive tempo de descobrir e de desfrutar com meu marido e meus filhos Quero viajar sem trabalhar. Eu quero que essa próxima década seja sobre celebração, alegria e dar e receber amor. Eu quero dar todo o amor que tenho às pessoas que me amam de volta.


Você confere a entrevista completa e na íntegra, clicando aqui.

Para mais informações sobre tudo que acontece no mundo da música, cinama e TV, siga o eolor no Instragram.