top of page
  • eolor

Explicando o final de ‘1899’, nova série da Netflix

'1899’ coloca o espectador em constante conflito sobre a verdadeira noção de realidade.

(Foto: Netflix)


Criada pela dupla Jantje Friese e Baran bo Odar, profissionais responsáveis por ‘Dark’, a nova série ‘1899’, da Netflix, está surpreendendo os espectadores. A produção traz temas complexos sobre a fragilidade das relações e emoções humanas.


Ao final, essas ideias são reveladas como microcosmos de um tema muito maior, o existencialismo. ‘1899’ coloca o espectador em constante conflito sobre a verdadeira definição de realidade. Afinal, o que é realidade?


Alguns pontos gerais são importantes sobre o entendimento da série. Primeiro, a obra gira em torno da médica Maura. Ela vive numa simulação, como um jogo, repleto de personagens e desafios.

(Foto: Netflix)


O final explicado de ‘1899’


A médica Maura é apresentada no primeiro episódio como uma passageira do navio Kerberos. Ela está em busca de seu irmão desaparecido, Ciaran. Já no início, ela recebe um envelope contendo um jornal com o título "Prometheus ainda desaparecido após quatro meses", junto com uma mensagem enigmática sugerindo que a carta foi enviada a ela por seu irmão.


Além disso, a carta contém instruções para que Maura viaje para Nova York, alegando que Ciaran descobriu informações sobre seu pai, Henry. Mesmo quando Maura tem visões de estar em um asilo e ser sedada sob as ordens de Henry, ela frequentemente pergunta sobre o paradeiro de seu irmão, o que coloca o pai como o vilão.


Inicialmente, Henry é descrito como o grande responsável por criar a simulação, colocando em risco a vida de todos os passageiros do Kerberos. Porém, num determinado momento, os espectadores descobrem que Maura se casou com o personagem Daniel e teve um filho, a criança Elliot. Esse menino, na vida real, acaba falecendo. Dessa forma, a simulação teria sido criada na verdade por Maura, com o objetivo de manter seu filho vivo para sempre. Ela, porém, não consegue se lembrar de como e porque criou a simulação que ela mesma está inserida.

(Foto: Netflix)


No último episódio, nos é revelado que toda a simulação é um projeto de Maura e que ela é a criadora de tudo. Henry injeta nela uma substância preta para fazê-la esquecer a verdade e mandá-la de volta ao loop, como aconteceu em dezenas de outras vezes. Henry a todo momento planeja escapar da simulação criada pela filha usando a pirâmide e a chave - anteriormente revelada como a única maneira de sair do ‘jogo’.


Nos momentos finais do último episódio, Henry retorna ao seu escritório, pega a chave e a insere na pequena pirâmide preta. No entanto, quando ele liga, nada acontece. Uma mudança de código foi feita pelo personagem Daniel quando ele invadiu a peça central da simulação. Dessa forma, Henry conclui que não tem como escapar.


Em vez de acordar no Kerberos no loop após a injeção, desta vez Maura acorda no local do túmulo de seu filho com uma memória diferente, agora se recordando de tudo que viveu. Maura entra na sala escondida abaixo do túmulo de Elliot, seguida por Daniel. Ele diz que seu plano funcionou porque o loop não foi reiniciado e sua localização atual é a primeira simulação que o casal já criou.


Daniel reprogramou o código da seringa que Henry injetou em Maura para que, em vez de fazê-la esquecer e mandá-la de volta para a nave, a trouxesse ao túmulo. Ele explica como trocou o poder da pirâmide que o pai dela tinha por uma de brinquedo nesta simulação, o que significa que agora eles têm o poder de escapar. Ele também programou o código de saída no anel de casamento de Maura, o que significa que o anel pode ser usado para escapar em vez da chave.


(Foto: Netflix)


Após descobrir que todos os eventos não passam de uma simulação, Maura acorda sozinha em uma nave espacial cercada por passageiros do Kerberos que ainda estão presos dentro do 'jogo'.

Aqui, ela tem seu primeiro contato com Ciaran, embora não pessoalmente. Ciaran inicia um diálogo com Maura por meio de um texto na tela do computador, dando-lhe as boas-vindas à "realidade". Isso levanta a questão se Ciaran é um humano comandando o show por trás de um computador, sendo portanto, o verdadeiro vilão, ou algum tipo de inteligência artificial que reteve a consciência do irmão de Maura.


2099 e uma nova simulação


Essa mudança de simulação chega a uma conclusão dramática no final da temporada, quando Maura acorda e se encontra em uma nave espacial cercada pelos passageiros de Kerberos que são colocados em animação suspensa, ainda presos. A data é revelada em 19 de outubro de 2099, ou seja, dois séculos completos após o período atual da série. É possível que a produção até agora tenha explorado a primeira camada da simulação que é 1899 e o final configure uma possível segunda temporada (e uma segunda camada da simulação) que poderia ocorrer no cenário futurista de 2099.


Alegorias filosóficas de 1899


Além das referências sociais e geopolíticas, a obra também usa várias alegorias filosóficas. Um desses exemplos é a frequente menção à "caverna de Platão", uma alegoria que contrasta os conceitos de crença e conhecimento. A alegoria gira em torno de um grupo de prisioneiros que percebem que viveram em uma realidade falsa durante toda a vida e têm a opção de aceitar o conhecimento de que existe uma realidade maior fora da caverna desconfortável, mas familiar e reconfortante em que vivem. Semelhante a isso, Maura na série encontra esse dilema ao saber que está presa em uma simulação.


A obra confina seus personagens pan-europeus em um navio chamado "Kerberos". Na mitologia grega, Cerberus (do qual deriva o nome "Kerberos") é o nome de um cão de guarda de várias cabeças que serve a Hades (o deus dos mortos) guardando os portões do submundo para evitar que os mortos saiam. No show, descobre-se que o navio Kerberos desempenha uma função semelhante de impedir que seus passageiros saiam da simulação em que estão suspensos sem seu conhecimento.


O outro navio importante é Prometheus, que se revela ser a predecessora da simulação Kerberos. Na mitologia grega, Prometeu desafia os deuses, rouba seu fogo e o dá à humanidade, permitindo que a humanidade construa suas próprias civilizações. Zeus sentencia Prometeu a uma punição infinitamente excruciante na forma de amarrá-lo a uma rocha e fazer uma águia devorar seu fígado todos os dias. Semelhante a isso, os personagens em "1899" estão presos em um ciclo e loop de simulações repetidas e passam por uma série de tribulações enquanto viajam no Prometheus e no Kerberos.


Muitas camadas se fazem presentes em '1899', desde as complexas relações entre os personagens até os simbolismos, como a constante existência de um triângulo como demarcador temporal ou a marcação do café como forma de aviso. Com certeza inda iremos falar muito sobre as teorias dessa produção.





bottom of page