top of page

Oscar 2023: Conheça quais filmes foram esnobados pela Academia

‘A Mulher Rei' e ‘Marte Um’, produção brasileira, foram deixados de lado pela Academia nesta edição

(Foto: Reprodução / Marte Um)


Estamos finalmente na temporada de premiações e está chegando a vez do Oscar 2023, antes mesmo de ir ao ar, já tivemos muitas surpresas diante os indicados. Dentre eles, algumas produções, diretores, atrizes e atores foram muito bem prestigiados após entregarem performances impecáveis nas telonas, como a Angela Bassett, que fez história se tornando a primeira atriz do universo Marvel a ganhar uma indicação ao Oscar.


Ainda temos o longa-metragem que conquistou grande parte do público, ‘Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo’, do estúdio independente A24, que recebeu o total de 11 indicações, incluindo a categoria de Melhor Atriz, com Michelle Yeoh.


Porém, tivemos os longas que foram totalmente esnobados no Oscar 2023, produções brasileiras que conquistaram o mundo, além da performance incrível da atual EGOT, Viola Davis, que foi completamente esquecida pela Academia neste ano. Confira a lista à seguir:


‘A Mulher Rei’ (The Woman King)

(Foto: Reprodução / A Mulher Rei)


Aqui acompanhando as Agojie, exército de mulheres guerreiras fortemente treinadas para proteger o reino africano de Daomé, que segue ordem da general Nanisca, interpretada por Viola Davis, que é encarregada de treinar as Agojie. A trama ocorre nos anos 1820 e mostra variados grupos africanos e seu combate ao império Oyo, que realiza negociações escravistas. À medida que a história avança, vemos outros lados de Nanisca, sua honra é questionada e fantasmas do passado voltam para lhe atormentar.


Não resta dúvidas de que este longa merecia levar algumas indicações, até algumas estatuetas… A atriz Viola Davis, que também pôs mãos na produção do longa, fala da importância de levarmos as histórias negras para as telonas de Hollywood, gerando trabalho e trazendo visibilidade aos talentos natos, o que em ‘A Mulher Rei’, fomos a testemunha do poder destas histórias e quão real e impactante elas foram.


A performance de Viola Davis e de todo o elenco foram excelentes, convincentes e duros, sem contarmos a dedicação para dar vida a cada personagem, óbvio, isso realmente não conta, porém nos faz questionar muito qual o nível de excelência que o Oscar e outras premiações ainda tanto buscam.


‘Marte Um’ (Mars One)

(Foto: Reprodução / Marte Um)


O filme nos mostra a história de uma família negra que mora na periferia de uma cidade em Minas Gerais. Os pais de Deivid e Eunice lutam para sobreviver em um país onde um presidente de extrema-direita acabou de ser eleito. Em meio às lutas diárias, seguir os sonhos de seus filhos, Deivid, que sonha em estudar astrofísica e colonizar Marte, parece ficar cada vez mais distante em sua nova realidade.


Marte Um’, primeiro filme solo do diretor Gabriel Martins, surpreendeu o público ao ficar de fora da lista de indicados à categoria de Melhor Filme Internacional no Oscars 2023.


O longa-metragem do jovem diretor de 34 anos estava entre os seis finalistas na lista de produções brasileiras que poderiam ser indicadas ao Oscar neste ano. ‘Marte Um’ foi premiado no Festival de Gramado após estrear no Festival de Sundance em janeiro de 2022, o filme levou os prêmios de Melhor Filme do Júri Popular, Melhor Roteiro, Prêmio Especial do Júri e Melhor Trilha Musical.


‘Não! Não Olhe!’ (Nope)

(Foto: Reprodução / Não! Não Olhe!)


Em uma cidade no interior da Califórnia, dois irmãos tomam conta de um rancho onde eles treinam alguns cavalos para participarem de algumas filmagens em Hollywood. À medida que a história avança, eventos estranhos e extraterrestres começam a acontecer nos céus da pequena cidade.


Em meio a tantas produções “mais do mesmo” sendo lançadas ao público na última década, Jordan Peele trouxe um respiro ao gênero de terror, espécie de filme que ele domina com maestria. Não há muito o que comentar sobre o Peele que você já não saiba, o diretor já mostrou sua força com as obras “Nós” e “Corra!” e não fez diferente aqui, mas ainda assim, não recebeu nenhuma indicação.


O gênero do terror segue recebendo pouca atenção da Academia, na edição deste ano o esnobado da vez foi a obra de Peele, que trouxe um suspense que a partir de sua segunda metade se transforma em um blockbuster implacável. Fomos surpreendidos pela atuação de Keke Palmer, de Daniel Kaluuya e do filipino Brandon Perea, que juntos formaram um time incomparável em cena.


Pearl

(Foto: Reprodução / Pearl)


Em meados do ano de 1918, a jovem Pearl sonha em ser uma estrela de cinema, porém, presa em sua realidade na fazenda, seu sonho parece ficar cada vez mais distante de se tornar tangível, conviver com o seu pai doente e sua mãe é autoritária dificulta todos os seus planos, após ficar cada vez mais próxima a suas conquistas, ele é negado, então, ela começa a assassinar quem estiver em seu caminho.


Como contamos anteriormente, o gênero terror não ganha muita atenção do Oscars e com isso, performances incríveis como a de Mia Goth não recebem indicações em muitas categorias, como a de Melhor Atriz.


Sendo um dos filmes mais icônicos do estúdio A24, que ultimamente vem ganhando destaque com outras produções como ‘Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo’, ‘Pearl’ fez com que a nossa atenção se voltasse inteiramente para a atuação incrível de Mia Goth, que trouxe vida e emoção para uma personagem tão emblemática e profunda como a nossa querida Pearl em um filme que é mais que apenas um terror com um toque de gore.


“Please I’m a Staaaar”, como não esquecer esta cena tão icônica ?


Aftersun

(Foto: Reprodução / Aftersun / Mubi)


Apesar de Pedro Mescal, o novo queridinho de Hollywood, ter sido indicado à categoria de Melhor Ator por sua atuação surpreendente no longa, o filme ‘Aftersun’ poderia ter levado mais indicações nesta edição.


O Oscar 2023 não indicou nenhuma diretora na categoria Melhor Direção, e não era porque faltava mulheres, grandes nomes femininos da indústria foram deixados de lado nesta edição, mulheres como a Gina Prince-Bythewood, diretora do já citado ‘A Mulher Rei’. Não reconhecer estes talentos torna evidente os passos retrógrados que a Academia cometeu este ano, a mesma Academia que já indicou e premiou grandes diretoras no passado.


A diretora Charlotte Wells fez sua estreia à frente de um longa-metragem nesta produção, apesar de não indicada, conseguir um feito como esse é algo digno de Oscar. A Academia indicar o Mescal e não observar que muito dos sentimentos que ele transmite foram captados pelas lentes sensíveis de Charlotte é no mínimo algo a se pensar a respeito de quem forma aquela bancada.

 

Fique por dentro de tudo o que acontece no mundo da música. Siga o eolor no Instagram!


Comentarios


bottom of page